Apresentação
O Projeto Educativo da 29ª Bienal de São Paulo oferece atividades e materiais de formação variados para públicos diversos. Tendo como foco a experiência com a arte, as ações não constituem um guia para a compreensão dos trabalhos, mas uma coleção de convites para quem quiser se aproximar dos conceitos, poéticas, artistas e obras que integram a mostra. A ideia é encorajar o público a acreditar em suas próprias percepções sobre os trabalhos expostos, lançando mão de seus repertórios e experiências, e ao mesmo tempo oferecer informações que ampliem seu universo de compreensão da arte.
 
Sob a curadoria de Stela Barbieri, o Projeto Educativo foi estruturado em três etapas, incluindo ações antes, durante e depois da mostra. As atividades antes da Bienal são divididas nos seguintes eixos: formação de educadores de ONGs e das redes pública e privada da cidade de São Paulo, interior e outros Estados, totalizando cerca de 30 mil atendimentos; integração de artistas com comunidades; formação de 300 educadores para atendimento ao público durante a exposição, organizada em parceria com 22 instituições culturais de São Paulo; e Seminário Internacional Educação, Arte e Política. Durante a Bienal, além das visitas orientadas, são oferecidas programações específicas nos terreiros e nos ateliês, voltadas a jovens, crianças e educadores. Após a exposição, a ideia é dar continuidade às parcerias estabelecidas e realizar ações educativas vinculadas às itinerâncias da 29a Bienal em diversas localidades.

Uma das primeiras ações do projeto foi uma formação oferecida a 5.200 professores da rede pública do município de São Paulo (foto). A atividade aconteceu nos dias 18 e 19 de março de 2010 em 13 CEUs (Centros Educacionais Unificados) localizados na periferia da cidade.