Roteiros

A partir dos seis terreiros que organizam a 29ª Bienal conceitualmente, são propostos seis percursos de visita à exposição. O piso térreo do Pavilhão Ciccillo Matarazzo é o local de entrada da mostra e o início dos seis roteiros. Nele estão as obras designadas para começar trilhas de pouco mais de vinte paradas ao longo dos três andares do edifício. Cada uma recebe o nome do terreiro por onde passa e com cujo universo temático tem maiores afinidades.

DITO, NÃO DITO, INTERDITO: começo em Canabibi, terreiro de Kboco e Loeb;

EU SOU A RUA: começo em El Dorado, de Eduardo Navarro;

LEMBRANÇA E ESQUECIMENTO: começo em Las Aventuras de Guille y Bellinda y El Enigmático Significado de Sus Sueños [As aventuras de Guille e Bellinda e o Enigmático Significado de Seus Sonhos], de Alessandra Sanguinetti;

A PELE DO INVISÍVEL: começo em Inferninho, de Luiz Zerbini;

O OUTRO, O MESMO:  começo em Espaço Para Performances Rearranjável, terreiro de Carlos Teixeira;

LONGE DAQUI, AQUI MESMO: começo em Fotopoemação – Piccolo Mondo,  de Anna Maria Maiolino. 

A soma dos seis percursos alcança os trabalhos de todos os artistas da 29a Bienal, à exceção de Susan Philipsz e Wilfredo Prieto, cujas obras são expostas fora do pavilhão, e da dupla Allora e Calzadilla, que se faz presente em performances volantes pelo segundo andar do prédio, sem ponto fixo.

Os seis roteiros também constituem as opções de visita oferecidas pelo Projeto Educativo da 29a Bienal a grupos de alunos e interessados. As visitas orientadas acontecem de 27 de setembro a 12 de dezembro em dois formatos: visita à exposição e visita à exposição seguida de atividade em ateliê.

O agendamento pode ser feito pelo telefone +55 11 3883 9090 (com a empresa de logística e atendimento Diverte Cultural) ou pelo email atendimento@divertecultural.com.br.